Clipping – Diário do Poder - Cartórios: registro de testamentos aumenta 134% durante a pandemia

Amazonas foi o estado que apresentou maior elevação, 1000% a mais de buscas entre abril e julho

A quantidade de registros de testamentos mais que dobrou durante a pandemia do novo coronavírus. Segundo dados do Colégio Notarial do Brasil (CNB), entre os meses de abril e julho, a busca pelo serviço aumentou 134%. Em números absolutos, o Brasil deu um salto de 1.249 testamentos registrados em abril para 2.918 em julho.

A crise sanitária também elevou, segundo relato dos tabeliães, a busca por orientações sobre os atos por idosos, profissionais da saúde e até mesmo jovens, que fazem parte do grupo de risco da Covid-19. Os dez estados que registraram maior busca pelo registro deste tipo de documento foram: Amazonas (1000%); Ceará (933%); Roraima (400%); Distrito Federal (339%); Maranhão (300%); Mato Grosso (300%); Sergipe (260%); Pernambuco (225%); Espirito Santo (175%) e Minas Gerais (170%).

Novos tempos

Giselle Oliveira de Barros, presidente do CNB, novos grupos de pessoas passaram a demonstrar interesse na oficialização do documento em decorrência à instabilidade e características da nova doença que assola o mundo. "O aumento da procura pelo ato demonstra a preocupação das pessoas diante de um cenário difícil e de muitas incertezas, sendo o testamento a melhor maneira de assegurar sua vontade, por meio da orientação legal de um notário sobre como realizar a distribuição de bens de acordo com a legislação vigente", diz.

O testamento público pode ser realizado por qualquer pessoa, sendo necessária a presença de duas testemunhas, mas opcional a presença de um advogado. O testador, quem requere o testamento, pode alterar ou revogar o documento a qualquer tempo, desde que esteja lúcido.

Adequando-se às medidas de distanciamento social, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) autorizou que atos notariais sejam feitos pelo ambiente virtual do e-Notariado. Todos os procedimentos realizados na plataforma on-line têm validade e confiabilidade comprovadas.

Fonte: Diário do Poder